top of page

Podcast 
Não deixe que a culpa lhe impeça de viver plenamente

Tenha aqui a transcrição do podcast - Não deixe que a culpa lhe impeça de viver plenamente

Receba também os exercícios da prática sobre lidar com a culpa.

Bom proveito!

Beach Meditation

Transcrição

Não deixe que a culpa lhe impeça de viver plenamente

Acredito que o sentimento de culpa é um dos piores sentimentos que existem.

Por muitos anos na minha vida, levei a culpa como uma sombra.

Por onde eu ia, ela ia junto. Até em momentos onde eu nem percebia que ela estava ali comigo. Ela estava comigo inconscientemente. 

Hoje eu sei que por conta das dificuldades que tive na vida durante o meu crescimento me fez ter esse sentimento tão negativo comigo.

 

A culpa nada mais é que um sentimento vindo da insegurança.

Quanto mais a gente se achar inseguro com a gente mesmo, mais culpa a gente tem.

A culpa pode vir através de várias maneiras…

Ela pode vir quando fazemos algo proposital contra alguém…

Algum erro que cometemos…

E também pode acontecer quando nem fizemos nada… mas ela aparece de algum jeito dentro da nossa cabeça.

E por incrível que pareça, quando isso acontece é a pior maneira de sentir culpa.

Antes mesmo de me divorciar, o que sempre martelava na minha mente era a culpa que eu iria sentir se eu me separasse do meu ex marido.

A culpa dominava a minha cabeça de uma tal forma que me fez adiar o meu divorcio por muitos anos.

Venho de uma cultura onde mulheres apenas pedem divórcio quando seus maridos são agressivos com elas, com os filhos, as traem… 

Para mim, eu não tinha motivos concretos para me divorciar… e me sentia culpada por isso.

Meu ex marido era visto como um homem maravilhoso… um marido perfeito, um pai perfeito para nossos filhos.

Ele nunca me traiu, nunca gritou comigo, fazia de tudo para mim.

Mas uma coisa faltava entre a gente. Faltava aquele sentimento forte entre a gente… faltava emoção, faltava amor.

Quando eu tomei a decisão do meu divórcio, posso falar que foi um dos períodos mais fortes e difíceis que passei na vida… e olha que eu já passei por tantas coisas.

Tomar essa decisão foi muito difícil pra mim, pois eu não só pensava em mim… na minha felicidade… mas também na felicidade dele e dos nossos filhos.

Imagina só…

Nesse período, eu ainda carregava comigo um pensamento de me colocar em segundo plano. Ir contra essa ideologia não parecia a coisa certa a fazer.

Eu estava vivendo numa balança onde eu tinha que escolher entre a minha felicidade, a do meu ex marido e a dos meus filhos.

Até o momento onde eu descobri que os meus filhos sempre seriam meus, independente do divórcio e eles poderiam ser felizes sim vivendo com pais divorciados, e meu ex marido e eu poderíamos sim ter uma relação de paz mesmo separados…

Muita dúvida e dilemas foram criados na minha cabeça.

E para falar a verdade, eu só consegui tirar essas conclusões de maneira saudável a partir do momento em que eu consegui entender a prática da atenção plena, e o quão importante e essencial ela é na minha vida.

Mesmo conseguindo enxergar a minha vida de cima com a ajuda da atenção plena, quando eu estava prestes a me divorciar, eu ainda me sentia culpada.

Me sentia culpada pelos meus filhos terem que se deslocar entre duas casas, me sentia culpada pelo meu ex marido ficar triste pela separação, mesmo ele sabendo que foi o melhor a fazer, até mesmo pela minha família e a família dele…

Pessoas que não tem nada a ver com nada… Eu senti culpa pela decepção que eu ia dar a eles.

Agora olha como as nossas emoções podem tomar o total controle da gente. 

Deveria ser o contrário!!

Hoje, que me considero uma pessoa mais sábia…

Hoje eu sei que esse sentimento de culpa veio por mérito da insegurança que estava sentindo no momento.

A minha insegurança estava tomando controle das minhas atitudes e sentimentos.

Mas a culpa é definida pela insegurança?

Não… A culpa não é definida pela insegurança, mas a insegurança pode contribuir para o sentimento de culpa. 

A insegurança pode levar uma pessoa a duvidar de si mesma e de suas habilidades, o que pode resultar em comportamentos que levam a sentimentos de culpa. 

Vou te dar um exemplo… uma pessoa insegura pode se sentir culpada por não atender às expectativas de outras pessoas ou por falhar em cumprir suas próprias expectativas irrealistas. Assim como aconteceu comigo.

Eu me senti culpada por falhar com as expectativas do meu ex marido, meus filhos e familiares.

A insegurança também pode levar uma pessoa a acreditar que é responsável por problemas que estão além do seu controle. Por exemplo, uma pessoa insegura pode se sentir culpada por não conseguir controlar os pensamentos ou comportamentos de outras pessoas, mesmo que essas coisas estejam fora de seu controle.

No meu caso, eu não conseguia controlar os sentimentos que meu ex marido tinha, e isso me deixava muito mal… muito culpada.

No entanto, é importante lembrar que a culpa não é necessariamente uma consequência da insegurança. 

A culpa pode ser uma emoção normal e legítima que acontece quando alguém se arrepende de suas ações ou de suas escolhas. É importante aprender a lidar com a culpa de uma maneira saudável e construtiva, independentemente da causa subjacente.

E é por isso que a prática da atenção plena entra para nos ajudar a lidar com essa emoção negativa.

Aqui estão algumas dicas que nos ajudam a deixar de sentir culpa de maneira mindful:

  1. Reconhecer e aceitar a culpa: Ao invés de negar ou tentar reprimir a culpa, é importante reconhecê-la e aceitá-la como uma emoção normal e legítima.

  2. Refletir sobre a causa da culpa: Refletir sobre as circunstâncias que levaram à culpa pode ajudar a pessoa a aprender com a situação e evitar cometer os mesmos erros no futuro.

  3. Aprender a perdoar a si mesmo: É importante lembrar que todos cometem erros e que é normal ter falhas. Aprender a perdoar a si mesmo pode ajudar a reduzir a intensidade da culpa.

  4. Praticar a auto-compaixão: Praticar a auto-compaixão envolve tratar a si mesmo com gentileza e compreensão, como faria com um amigo querido.

 

Praticando essas habilidades, podemos aprender a lidar com a culpa de maneira mais saudável e produtiva, promovendo um maior bem-estar emocional e uma maior capacidade de nos relacionar com os outros de maneira mais construtiva.

Pratique lidar com a culpa

Prática diária de lidar com a culpa:​

  1. Observação dos pensamentos: Quando se sentir culpado, faça uma pausa e observe seus pensamentos sem julgamento. Permita que eles surjam e passem, sem se apegar a eles ou tentar suprimi-los. Simplesmente observe-os como um observador imparcial.

  2. Identificação das emoções: Reconheça as emoções que estão presentes quando você se sente culpado. Pode ser tristeza, raiva, medo ou ansiedade. Nomear e identificar essas emoções pode ajudar a liberar a tensão e a ansiedade.

  3. Autocompaixão: Pratique a autocompaixão, entendendo que todos cometem erros e que você não é exceção. Trate-se com gentileza, como faria com um amigo querido que está passando por um momento difícil.

  4. Meditação da bondade amorosa: Pratique a meditação da bondade amorosa, visualizando-se rodeado por amor, compaixão e bondade. Imagine que você é um ser humano imperfeito, assim como todos os outros, e merece amor e compaixão.

  5. Reflexão sobre a culpa: Reflita sobre a culpa e sua função. A culpa pode ajudar a reconhecer um erro e corrigi-lo, mas também pode ser prejudicial se for excessiva ou inadequada. Reflita sobre como você pode aprender com seus erros sem se sentir excessivamente culpado.

Lembre-se de que esses exercícios podem levar tempo para surtir efeito, então seja paciente consigo mesmo e continue praticando. Além disso, se a culpa estiver afetando significativamente sua qualidade de vida, é importante procurar ajuda profissional de um psicólogo ou psiquiatra.

Leia com calma, se foque nas palavras e pratique a meditação.

Respire...

Exercício de meditação para lidar com a culpa:

  1. Encontre um lugar tranquilo e confortável onde você possa sentar-se em silêncio. Feche os olhos e comece a respirar profundamente.

  2. Observe seus pensamentos e emoções sem julgamento. Se você se sentir culpado, simplesmente observe esse sentimento sem se envolver nele.

  3. Visualize uma luz suave e amorosa que envolve todo o seu corpo. Imagine que essa luz está purificando todas as emoções negativas, incluindo a culpa.

  4. Concentre-se na sua respiração. Inspire profundamente e expire lentamente. À medida que você respira, imagine que está expirando a culpa e inspirando paz e serenidade.

  5. Pratique a autocompaixão. Repita mentalmente as seguintes palavras: "Eu sou humano e cometo erros. Eu me perdoo pelos erros que cometi e me aceito como sou".

  6. Visualize-se em um estado de paz e liberdade. Imagine que você está se libertando da culpa e seguindo em frente com uma mente clara e aberta.

  7. Continue meditando pelo tempo que desejar, concentrando-se na respiração e na sensação de paz que a meditação traz.

 

Luz à todos!

Agora descreva...

Descreva, escrevendo em um caderno, as sensações que você sente após praticar os exercícios desse tema.
Se abra honestamente às novas emoções, mesmo que ainda se sinta desconfortável. 


Lembre-se de que a prática da atenção plena requer paciência e persistência. Quanto mais você praticar, mais fácil será permanecer presente no momento e reduzir a influência dos pensamentos e distrações em sua mente.

Sinta-se à vontade de voltar aqui quando precisar.

Nathalia Cabrita

bottom of page