top of page

Podcast 
Somos todos responsáveis pelos nossos próprios atos.

Tenha aqui a transcrição do podcast - Somos todos responsáveis pelos nossos próprios atos.

Receba também os exercícios da prática sobre lidar com a responsabilidade.

Bom proveito!

Couple Meditating on the Beach

Transcrição

Somos todos responsáveis pelos nossos próprios atos.

Quero começar esse podcast te perguntando uma coisa…

Você já culpou alguém por algo que aconteceu em sua vida?

Uma vez em que você se decepcionou por alguém que te enganou…

Ou alguém que te magoou com palavras.

Não interessa como…

É muito comum culpar o outro.

Todos nós fazemos isso.

 

É muito comum culpar o outro pelos nossos traumas.

É muito comum culpar o outro pelos momentos difíceis em nossas vidas.

Tendemos sempre encontrar razões e desculpas que justifiquem a maneira que nos encontramos. A maneira que nossa vida se encontra.

 

E isso pode ser tanto de forma positiva quanto negativa.

 

Quando acontece de forma positiva, é sempre bom para o “culpado”... mas será que é bom para a gente que culpa?

Será que não somos nós que merecemos levar a culpa quando algo bom acontece com a gente?

Mas quando algo negativo acontece, culpar o outro nos leva à ilusão que o que aconteceu não foi nossa culpa e sim tudo de ruim aconteceu por causa de outro alguém.

 

E sabe de uma coisa?

Eu não julgo pessoas que pensam assim.

Eu mesmo levei a vida assim por muitos anos.

 

Culpando minha família pelos traumas sofridos…

Culpando o meu ex marido pelas brigas e insatisfações.

Culpando até amigas pelos desapontamentos.
 

Mas uma coisa é certa…

Até quando conseguimos levar a vida de forma plena culpando os outros pelos casos da nossa vida?

Culpando outros pelos nossos próprios sentimentos?

Nossos próprios sentimentos… isso já diz tudo.

Nossos e de mais ninguém.

 

São nossos sentimentos e por eles somos responsáveis.

 

Somos responsáveis pela maneira como encaramos a vida.

Somos responsáveis pelos nossos atos e sentimentos.

Mas e quando alguém nos trata muito mal? Essas pessoas não levam culpa?

Sim!!! A culpa de fazer o mal, sim… mas a culpa de te fazer mal, não!

 

Assim como nós temos a nossa responsabilidade de agir e sentir, essas pessoas também tem sua responsabilidade de agir e sentir… mas nós temos a responsabilidade de nos deixar protegidos a qualquer tipo de “pancada”... e nesse caso, falo em forma metafórica. 

Vou te dar um exemplo claro…

 

Um casal heterosexual está discutindo…

O homem da relação está gritando com sua parceira.

Ele está furioso, com raiva dela por que ela não atendeu sua ligação quando ela estava fora de casa.

Ela fica triste demais com essa reação dele. Ela chora, grita de volta.

Nessa situação, é claro ver que os dois foram afetados emocionalmente. 

 

Nenhum dos dois se responsabiliza pela maneira como se sentem, escolhem culpar um ao outro pelos seus sentimentos.

Ele culpa a mulher pelas suas inseguranças, medos e ela o culpa por se sentir triste.

Ela está achando que ele é responsável pela sua emoção… por deixá-la triste. Ela carrega uma expectativa ilusória.

 

Ele também carrega a responsabilidade de seus atos, ou seja, de deixá-la triste… de estremecer a relação dos dois.

Assim como ela carrega a responsabilidade de seus atos, de não atender a ligação dele, de deixá-lo inseguro.

 

Está vendo como é?

 

Todos nós somos responsáveis por nós mesmos. Por como agimos e como reagimos.

 

Mas também, temos que levar em consideração que podemos magoar pessoas ao nosso redor. Pessoas que gostamos, afetando a nossa relação com elas. Uma relação que gostaríamos que fosse harmoniosa.

 

Portanto, antes de agirmos com o impulso, tenhamos o entendimento que todos nós carregamos a responsabilidade de nos fazer o bem… e se isso inteira fazer o bem de quem gostamos em ter ao nosso redor, que assim seja.

 

Ser responsável é uma característica importante para o desenvolvimento pessoal e até também profissional, pois envolve assumir a responsabilidade por nossas próprias ações e decisões. E a abordagem mindfulness pode ajudar a cultivar essa responsabilidade de forma mais consciente e conscientizada.

Quando aplicado à responsabilidade, mindfulness significa estar ciente das consequências de nossas ações e escolhas, e assumir a responsabilidade por elas.

Para ser responsável de forma mindfulness, é necessário:

  1. Aceitar a realidade: Isso significa reconhecer a situação atual sem resistência ou negação. É preciso estar ciente das circunstâncias e das consequências de nossas ações, sem culpar os outros ou as circunstâncias externas.

  2. Ser proativo: Isso implica tomar iniciativas para solucionar problemas e fazer escolhas conscientes que levem a resultados positivos. Quando somos proativos, assumimos o controle de nossas vidas e nos responsabilizamos pelas escolhas que fazemos.

  3. Ser consistente: Ser consistente na responsabilidade significa manter um compromisso com nossas ações e decisões, mesmo quando isso exige esforço e sacrifício. Isso envolve ser fiel a nossas promessas e assumir a responsabilidade por nossas falhas e erros.

  4. Aprender com a experiência: A responsabilidade mindfulness também significa aprender com nossas experiências e erros. Em vez de culpar os outros ou a situação, é preciso refletir sobre o que pode ser aprendido com a experiência e aplicar essas lições no futuro.

 

Resumindo, a responsabilidade mindfulness é estar ciente de nossas ações e escolhas, assumir a responsabilidade por elas e aprender com nossas experiências. Isso nos ajuda a cultivar a autodisciplina, a confiança e a capacidade de tomar decisões conscientes que levam a resultados positivos em nossas vidas pessoais e profissionais.

Pratique a responsabilidade

Prática diária de lidar com a responsabilidade:​

  1. Pratique a atenção plena: Ao lidar com a responsabilidade, tente estar presente no momento presente. Esteja ciente dos seus pensamentos e emoções, sem julgamento ou crítica. Observe seus comportamentos e ações, analisando a situação de forma objetiva e racional.

  2. Cultive a gratidão: A gratidão é uma ótima maneira de aumentar a consciência sobre a sua responsabilidade. Agradeça pelas suas conquistas, pelas pessoas que estão ao seu lado e por tudo que você tem na vida. Quando você se sente grato, é mais provável que se sinta mais responsável por suas ações e escolhas.

  3. Pratique a auto-compaixão: Quando se sentir culpado ou responsável por algo, pratique a auto-compaixão. Seja gentil e compreensivo consigo mesmo, como faria com um amigo querido. Reconheça que erros acontecem e que você está fazendo o melhor que pode em determinado momento.

  4. Identifique suas intenções: Ao tomar uma decisão ou fazer uma escolha, reflita sobre suas intenções. Pergunte a si mesmo: "Por que estou fazendo isso? O que espero alcançar?". Isso pode ajudá-lo a ter mais clareza sobre suas ações e responsabilidades.

  5. Pratique a respiração consciente: Quando se sentir sobrecarregado ou ansioso sobre suas ações e responsabilidades, pratique a respiração consciente. Feche os olhos e respire profundamente, concentrando-se apenas na respiração. Isso pode ajudá-lo a se acalmar e a se sentir mais no controle da situação.

  6. Pratique a meditação: A meditação pode ser uma ferramenta poderosa para ajudar a lidar com a responsabilidade de forma mais consciente. Reserve alguns minutos todos os dias para meditar e concentrar-se no momento presente. Isso pode ajudá-lo a acalmar sua mente e a desenvolver a habilidade de permanecer presente e consciente em meio à responsabilidade.

  7. Pratique a comunicação consciente: Ao lidar com a responsabilidade, é importante ser capaz de se comunicar efetivamente com os outros. Pratique a comunicação consciente, ouvindo atentamente os outros e expressando-se de forma clara e objetiva. Isso pode ajudá-lo a assumir a responsabilidade pelas suas palavras e ações, e a estabelecer relacionamentos mais saudáveis e positivos.

Leia com calma, se foque nas palavras e pratique a meditação.

Respire...

Exercício de meditação para lidar com a responsabilidade de forma mindful:

  1. Aqui está uma meditação guiada que pode ajudá-lo a lidar melhor com a responsabilidade pelos seus próprios atos e sentimentos, e lembrar que não é responsável pelas reações dos outros:

  2. Encontre um lugar tranquilo e confortável onde você possa se sentar ou deitar em paz. Feche os olhos e respire profundamente algumas vezes, permitindo-se relaxar completamente.

  3. Observe seus pensamentos e emoções, sem julgamento. Deixe-os surgir e passar, sem se prender a eles. Concentre-se em sua respiração e sinta o ar entrando e saindo do seu corpo.

  4. Quando se sentir calmo e presente, traga à mente uma situação em que você se sentiu responsável por seus próprios atos ou sentimentos, mas se culpou pelas reações negativas dos outros. Traga à mente todos os detalhes da situação e permita-se sentir as emoções que vêm com ela.

  5. Observe suas emoções e pensamentos em relação à situação, sem julgamento ou crítica. Apenas observe-os como um observador imparcial.

  6. Reflita sobre a ideia de que você é responsável apenas pelos seus próprios atos e sentimentos, e que não pode controlar as reações dos outros. Lembre-se de que cada pessoa é responsável por suas próprias emoções e reações, e que você não precisa se culpar por algo que está fora de seu controle.

  7. Sinta um senso de alívio e liberação ao lembrar que você não é responsável pelas reações dos outros. Concentre-se novamente em sua respiração e sinta a sensação de paz e tranquilidade que ela traz.

  8. Quando estiver pronto, abra os olhos e volte ao seu dia, lembrando-se de que você é responsável apenas pelos seus próprios atos e sentimentos, e que não precisa se culpar pelas reações dos outros.

 

Luz à todos!

Agora descreva...

Descreva, escrevendo em um caderno, as sensações que você sente após praticar os exercícios desse tema.
Se abra honestamente às novas emoções, mesmo que ainda se sinta desconfortável. 


Lembre-se de que a prática da atenção plena requer paciência e persistência. Quanto mais você praticar, mais fácil será permanecer presente no momento e reduzir a influência dos pensamentos e distrações em sua mente.

Sinta-se à vontade de voltar aqui quando precisar.

Nathalia Cabrita

bottom of page